Importância da adaptação à dieta no confinamento de boi
BLOGCorte - confinamento e semiconfinamentoNoticias - Blog

Importância da adaptação à dieta no confinamento de boi

O concentrado está sendo incluído no confinamento de boi, devido à intensificação dos sistemas de produção, como estratégia de aumento da energia dietética.
Uma das etapas mais críticas do confinamento é o início, visto que a fase de adaptação ocorre em diversos âmbitos.
Desde a adaptação dos animais ao ambiente, às interações sociais, a nova dieta afeta diretamente seu desempenho no período de cocho.
Animais a pasto entrarão em uma dieta de alta densidade energética e isso não pode ser feito de repente.
Sendo assim, esses animais precisam responder à nova dieta, de forma adequada ao seu organismo.
Assim nasce a necessidade de um protocolo de adaptação para o confinamento de boi.
No Brasil em 2019, 83,3% dos pecuaristas usavam concentrado na dieta, não chegando nem perto dos EUA que usam em torno de 91%.
No confinamento, portanto, há uma maior inclusão de concentrado de uns anos para cá.
O que aumenta o desafio de manter o equilíbrio entre esses microrganismos e o PH no rúmen.
 

Microrganismos ruminais

Apesar dos ruminantes serem capazes de digerir fibras, a inclusão de concentrado na dieta, traz diversas vantagens aos animais.
Como, melhor desempenho, ganho de peso e desenvolvimento dos animais que estão no confinamento de boi.Importância da adaptação à dieta no confinamento de boi

Perceba que existem diferenças consistentes entre o animal que consome somente pasto e o que consome concentrado.
Pensando assim chegamos a próxima pergunta.

Por que fazer a adaptação?

Um protocolo de adaptação deve ser adotado, pois se houver negligência nesta fase, alterações na morfologia e função ruminal podem causar sérios transtornos e prejuízos econômicos.
Esse período pode ser entendido como o menor tempo necessário para que um animal mude de uma dieta para outra.
Isso tudo sem afetar seu desempenho durante o confinamento de boi.
No geral, a adaptação ocorre com mais volumoso no início da dieta e é substituído por concentrado aos poucos.
Ou seja, o período de adaptação a dieta ocorre para que essa relação (volumoso X concentrado) vá diminuindo.
 

Problemas na adaptação

Quando o boi sai da alimentação a pasto, comendo forragem, ao colocar o concentrado o pH cai, a quantidade de bactéria muda e o ácido lático cai ainda mais.
Isso ocasiona a acidose, que é um dos problemas mais comuns a afetar os animais em confinamento de boi.
Tanto pela velocidade de troca quanto pode ser um distúrbio metabólico causado por dieta altamente energética.
Se o animal não se adaptar adequadamente à dieta, os sinais aparecerão nos primeiros dias do confinamento.
E esse animal nunca mais terá o mesmo desempenho que outros que não passaram pelo mesmo desafio.
Já que, ele absorve menos ácidos graxos, tornando- se menos eficientes e tendo um desempenho pior.
Portanto, a adaptação feita de forma rápida degrada as papilas ruminais e elas não são reconstituídas.
 

Tipos de protocolo

Não há um protocolo melhor que o outro.
O importante é que esse processo seja bem feito e que os animais entrem em uma dieta inicial que não ofereça risco de distúrbios metabólicos, como a acidose.
Permitindo um consumo frequente de alimento concentrado, sem grandes flutuações.
Assim, a oferta de concentrado tem que ser aumentada de forma gradativa até chegar na dieta final.
Os protocolos dependem muito de cada tipo de confinamento de boi, os mais conhecidos você confere aqui:

  • Escada
  • Restrição
  • Dieta com menos energia
  • Escada + Restrição
  • Mistura de 2 rações

Além do protocolo, reforçamos que o controle de consumo é essencial, sema ele a adaptação irá durar mais tempo.
 

Duração da adaptação no confinamento de boi

Esse processo leva de 14 a 21 dias para ser concluído e deve ser executado corretamente para atingir os resultados desejados.
Na verdade, um período de adaptação adequado modifica o animal de forma consistente.
Com um epitélio ruminal mais desenvolvido, melhor digestão das fibras e maior absorção de energia pela parede do rúmen.
Tornando o animal mais eficiente no final do sistema, quando comparado com animais que tiveram um curto período de adaptação.
Concluímos, portanto, que diversos cuidados devem ser tomados para reduzir ao máximo qualquer estresse adicional.
Com exceção do estresse que o animal já sofre ao entrar no confinamento de boi, caso não seja feita a adaptação de ambiência.
Toda essa atenção é dada a fim de atingir um consumo regular no menor tempo possível sem causar distúrbios aos animais.
 

ATENÇÃO AOS DETALHES

  • Conte de 3 a 4 dias para a adaptação dos microrganismos
  • Portanto faça de 5 a 7 dias para adaptação das papilas
  • Não se esqueça que o período de adaptação deve respeitar o consumo de pelo menos 80 a 90% da meta final
  • Protocolo de adaptação a ser adotado depende de cada confinamento
  • Sem controle de consumo a adaptação irá durar mais tempo
  • Raça influencia na adaptação
  • O histórico nutricional influencia no desempenho e metabolismo
  • Aditivos são necessários para uma boa adaptação

 
E você? Já teve dificuldade com a adaptação à nova dieta de confinamento de boi?
Já teve que lidar com o caos dos distúrbios metabólicos, por falta de orientação?
Conte com o apoio da nossa equipe de técnicos digitais para auxiliá-lo com essa adaptação a dieta do seu confinamento!
Continue acompanhando o Blog Premix e nutrindo os ciclos da vida!

Qual é a sua reação?

Animado
0
Feliz
0
Apaixonado
0
Não tenho certeza
0
Bobo
1

Você pode gostar

Mais em:BLOG

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.