Melhores práticas para o desmame do bezerro

Autor: Premix | Data: 07-05-2019

Tags: , ,

O desmame é um processo que gera estresse ao bezerro e à vaca e por isso exige atenção especial do pecuarista, a fim de evitar prejuízos na produção de carne ou de leite, assim como o mal-estar nos animais.

Melhores práticas para o desmame do bezerro

No período entre seis e oito meses de idade, o bezerro é desmamado da mãe. Isso ocorre para dar o destino correto para estes animais, ou seja, iniciar a fase de recria ou comercialização, além de favorecer a vida reprodutiva da matriz.  

VEJA: Outras iniciativas fáceis que garantem a produtividade do seu gado.

O método mais comum nas fazendas de gado de corte é o desmame abrupto, ou seja, o bezerro e a mãe são separados sem nem um tipo de adaptação dos animais.

Esse tipo de manejo causa muito estresse. É comum nestas situações observar vaca e bezerro com comportamentos alterados, vocalizando excessivamente e caminhando por longos períodos à procura um do outro.

Dessa forma eles diminuem o tempo de pastejo e de descanso, o que ocasiona a perda de peso e o enfraquecimento, tornando-os mais suscetíveis a doenças e parasitas.

Para evitar esse tipo de comportamento, o pecuarista deve seguir algumas boas práticas de desmame que ajudarão a minimizar os efeitos negativos durante o período de readaptação dos animais. Conheça algumas:

Apartação com contato visual

Em uma pesquisa realizada pela Universidade da Califórnia-Davis, foi comprovado que apartar os bezerros e as vacas utilizando somente uma cerca, com o cocho de água comum entre ambos e permitindo que tenham contato visual, certamente é a maneira mais eficaz e menos traumática para fazer o desmame.

Na pesquisa foi observado um ganho de peso de até 30% a mais, em comparação com outros bezerros manejados de forma tradicional, ou seja, via separação abrupta.

Apartação em dois estágios

Outra maneira eficaz de fazer a apartação dos bezerros é dividir o processo em dois estágios.

No primeiro momento, coloca-se um acessório na narina do bezerro para que ele não consiga mamar. Porém, o animal continuará caminhando e pastando junto à mãe. Isso ajuda no processo de desmame, pois mantém o vínculo entre os animais.

Em um segundo estágio os animais são completamente separados, da mesma maneira que ocorre no sistema tradicional que falamos acima. Um estudo (Haley et al., 2005) apontou que o desmame que segue esse manejo tem índices muito satisfatórios em relação aos demais animais.

Os bezerros têm comportamento similar aos demais que não usam o acessório de desmame, mas num segundo estágio, após a separação completa, o índice de vocalização – na comparação com a separação abrupta – cai em 85%; o tempo de caminhada cai 80%; o de alimentação é 25% maior, e o de descanso, 24%.

O ganho de peso após sete dias é significativamente maior. A dificuldade desse manejo é a colocação e retirada das tabuletas, principalmente em lotes maiores.

Desmama controlada

Outra técnica que também se mostra bem eficaz no desmame dos bezerros é a desmama controlada.

Ela consiste em programar a quantidade de vezes que o bezerro irá mamar na matriz

Geralmente os bezerros são colocados em piquetes com boa oferta de pasto, água e sombra duas vezes ao dia, e de manhã e à tarde os animais são colocados juntos para o bezerro mamar.

Segundo alguns pecuaristas, esse manejo se mostrou muito benéfico, uma vez que tantos os bezerros quanto as vacas não apresentam sinais de estresse ou perda de peso.

Desmame em gado leiteiro

A publicação Boas Práticas de Manejo – Bezerros Leiteiros disponibiliza uma tabela que indica a quantidade em litros e quantas vezes ao dia o bezerro deve consumir o leite materno até a fase de desmame.

A tabela foi desenvolvida utilizando como referência um animal de peso de 40 kg de peso vivo ao nascimento.

Atenção: nos casos dos bezerros que atingirem 70 kg de peso vivo antes dos 70 dias de vida, reduz-se a quantidade de leite para 1 litro/dia em uma mamada diária, por 7 dias consecutivos e desmame-os.

Melhores práticas para o desmame do bezerro

Transporte e vacinação

Independentemente da opção de manejo escolhida pelo pecuarista no momento do desmame, é importante seguir algumas precauções a fim de evitar o mal-estar nos animais:

  • Sempre ofereça à recria um piquete com oferta suficiente de pastagem, água fresca e sombra
  • Evite aplicar vacinas, vermífugos ou fazer a castração dos animais durante o período de desmame. O ideal é que tais procedimentos aconteçam com no mínimo 30 dias antes de iniciar o processo
  • O transporte também deve ser evitado durante o período do desmame ou logo após. É recomendável que se aguarde um período de 15 a 20 dias e que o transporte seja feito de maneira menos estressante aos animais

Quer conhecer mais dicas para ajudar no manejo do rebanho? Visite sempre o blog da Premix.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of

Posts Relacionados

Saiba tudo sobre o Livro Caixa Digital do Produtor Rural

Pecuária, uma atividade sustentável

Como a tecnologia pode trazer mais produtividade na pecuária

4 cuidados com o pasto no período da seca